Agora estamos aqui: ALGO

Não vá se perder por aí.

Atenciosamente,

tz
Grande alegria é estar na mira de uma encomenda como a que recebi essa semana. Bruno Neiva, parceiro e interlocutor de Portugal, agora morando na Coruña, Espanha, apareceu por aqui nesses trópicos entrópicos de Além-Mar sob a curiosa forma de um envelope.

+

Os fragmentos que se seguem são uma homenagem à “lei natural dos encontros”. (É provável também que depois isso se organize e se amplie de forma mais urbana. Uma promessa.)

+

O livro das minhas proezas de pesca (1-8) apresenta uma série na qual se percebe um intenso sentido de forma que implica a renúncia às constraintes institucionais do verso e da sintaxe discursiva. Como nos versos propositivos do início, “ocupa a mesa / diz / coisas / sem querer / por querer / fingir / crer [...]” (#1), que pertencem a um minimalismo de contenção e contágio. Contra o consumo facilitado/facilitador se insurge essa poética intensiva (não confundir com “reduzida”) que se apropria das ruínas das falas projetando-as em interfaces complexas e anti-monumentais. Um inscritor (como Bruno Neiva se anuncia em meta-transcrição) que mimetiza o conformismo de seu leitor, denunciando-o: “em homenagem à tua estabilidade, agora disponho os fatos por ordem alfabética” (#5).

+

Re/res.

+

Nos samples, como anunciado, a dinâmica de re-processo e deslocamento cria seu eixo orbital mobilizando essa poeira de poeira de fala, de artifício, que se inscreve a partir de desvios da linearidade tipográfica. A ruptura com a linearidade da escrita (não da escritura, que já é múltipla) é antecedida pela implosão dos sentidos promovida pelos novos circuitos sígnicos que modulam nossas fala, audição, visualidade, etc. Vale a pena retomar o que se inscreve na contracapa do chapbook sob o nome “Ficha técnica”: “Reorganização sintáctica / rítmica / espacial de textos rejeitados pelo autor (síndrome de reciclagem) [...]”. A alteração dos ciclos por sua reativação. Uma grande máquina devoradora. “A linguagem é um vírus”, como nos disse W. Burroughs em The electronic revolution.

+

Sintonia.

+

Junte-se a isso uma série de quatro objetos (“cartões-poemas” para ser um pouco mais claro), que anunciam um deslocamento do eixo monopolizador da visualidade para a operação tátil. Explico: em uma das faces, um trabalho visual, e na outra fragmentos de fala como: “Where should we”.

+

Nada mais parecido com uma constelação do que uma guerrilha, que exige, por sua dinâmica, uma estrutura aberta de informação plena, onde tudo parece reger-se por coordenação (a própria consciência totalizante em ação) e nada por subordinação. (D. Pignatari, Teoria da guerrilha artística)

+

Res/escritura. Ex/escritura. Res/ex/escritura.

+

Em this is visual poetry (projeto que merece ser conhecido e divulgado) by bruno neiva, uma série de poemas visuais intitulada threshold draft (1-16) por meio da qual o autor reivindica mais uma vez pertencimento a (ou diálogo com) um repertório ruidista, do inacabamento, processual. Essa quasilíngua transtátil, que se desfaz sempre em outras configurações instáveis, de onde se originam outras, etc. A escritura ausente de suas negociações mercantis, geminada, prospectiva.

+

Viva. Conheçam o trabalho do Bruno Neiva clicando aqui e aqui

+

To be continued.
A poética da posse contra a propriedade de que nos fala Décio Pignatari em seu texto seminal “Marco Zero de Andrade” é uma formulação conceitual que parece não ter desdobramentos na produção de poesia contemporânea. Assim como todo o ímpeto crítico e teórico de Augusto e Haroldo de Campos que a cada dia é mais incorporado a esse museu indevassável, que permite a seu público apenas a oscilação entre a veneração e a vingança (práticas mistificadoras centradas em uns poucos tópicos, muitas vezes banais e devidamente didatizados, de uma vasta poética do complexo). Assim como a radicalização formal de Wlademir Dias Pino e do Poema/Processo, reorganizando a partir de um novo paradigma teórico que nasce não como justificação prévia de um projeto personalista, mas como uma implicação simultânea da produção poética proposta, etc.

/

As reivindicações de pertencimento a esse repertório degeneram em disputas de prováveis heranças. Sem a preocupação de se estabelecer uma revisão cuidadosa de suas conquistas (que são muitas, não se pode negar) a celebração festiva e o insulto ao alheio estabelecem entre si o contraponto necessário para se instaurar uma quase-polêmica que embala em mornidão incontornável os debates sobre poesia. A partir desse sistema de referência tácito/tático formam-se agrupamentos, ou clubes de poesia.

/

De novo, a poética da posse contra a propriedade de que nos fala Décio Pignatari em seu texto seminal “Marco Zero de Andrade”, etc.

/

Poéticas nômades, que se insurgem contra os mitemas da invenção e da ruptura, eclodem por todos os cantos e ampliam o espectro pós/produtivo, mas o barroquismo histérico, adjetivador e ególatra ainda se fixa entre nós como uma possibilidade real de inscrição. Agenciada pelo consumo, que imprime a continuidade da inovação sobre a descontinuidade da experiência, essa gramática do fazer poético se outorga o uso do qualificativo humanista (lembranças de “humanimaldade” de cummings, via tradução de A. de Campos), sem, no entanto, compreender que é uma ratificação do senso comum.

/

O prosaísmo é uma doença do e para o homem profundo. O falar banal, que melindrou Mallarmé (escrevo isso a despeito da centralidade da obra do poeta francês em algumas das proposições dos autores citados anteriormente), é um fato incurável. Já a profundidade é uma justificação da inépcia ao tato, uma mistificação derivada das totalizações de uma civilização tipográfica (ainda McLuhan). Daí a insistência nas imagens do Labor, de que é resultado especialmente a frase muito comum em colóquios de poesia que envolvam poetas e/ou acadêmicos: “O poeta labora a palavra”. O projeto de valorização da figura individual do poeta enquanto mecanismo agenciador de valor é uma tautologia. Tautologia genealógica. A suposição de que o cotidiano é uma superfície devastada que merece ser salva sob o abrigo/abismo da metáfora sagrada é no mínimo curiosa. Poesia para escafandristas.

/

Item: Cada vez há mais exceções. Talvez (e esse é meu desejo) essas notas relatem uma circunstância da qual nos lembraremos um pouco constrangidos.

/

"A poesia de Oswald de Andrade é a poesia da posse contra a propriedade. Poesia por contato direto. Sem explicações, sem andaimes, sem preâmbulos ou prenúncios, sem poetizações. Com versos que não eram versos. Poesia em versus, pondo em crise o verso: um prosaísmo deliberado que é uma sátira contínua ao próprio verso, livre ou preso." (Marco Zero de Andrade, Décio Pignatari)

/

etc.
Pela manhã, eu e Susana fomos ao Mercado Público
para as compras da semana. Lá,

nos distraímos com: 1. as poças d'água e nossa
nenhuma lembrança de chuva recente; 2. os pedintes

e aqueles que nós julgávamos pedintes; 3. Dona Júlia,
que estava doente, segundo seu filho; 4. um rato

morto, que punha em xeque os selos de inspeção
e nossa curiosidade mórbida; 5. o limite de

nosso interesse em contar distrações; 6. o uso
da palavra “pedinte” num poema mal escrito de

um autor autoindulgente; 7. mandar lembranças
para Dona Júlia, quando (ou se) passarmos por lá na volta;

8. a delimitação do conceito de “distração” para
o caso de uma possível arguição; 9. as poças d'água, de novo,

e analogias com arquipélago ou trincheiras; 10. o uso
da primeira pessoa do plural num poema

mal escrito de um autor autoindulgente, especialmente
por envolver o nome de Susana; 11. a imagem que

construímos do Mercado Público por meio de
“poças d'água”, “pedintes” e “rato morto”; 12. o fato

de Dona Júlia nunca aparecer num poema que escrevemos;
13. o fato de o Mercado Público nunca aparecer

num poema que escrevemos; 14. o fato de o Mercado
Público daqui ser uma merda, o que não acontece

em outras cidades; 15. a possibilidade de as distrações,
a partir do momento em que são organizadas em lista,

se transformarem em outra coisa. Quando chegamos em casa
tínhamos comida para o resto da semana (como previsto).
Dia de sol demais. Meu Deus. De sol.
A gente tenta ver as coisas. Coisas
todas excedidas. A gente tenta.
Meu Deus. Cadê cortina no meu céu.

Cadê o Ray-Ban que já foi meu. O dia
no jardim em pânico de reflexo.
Assim como a geladeira, o teto.
Tudo grita “Ah” quando eu vejo “Ah”.

Vamos ser claros, sim. Ou menos claros.
É. Vamos ser rasos, sem fazer caso.
Porque nenhuma sombra me ilumina.

Que vida sem fumê. Meu Deus. Pra quê
fazer cegar o que é para ser visto.
Melhor lavar o rosto e ver TV.

p. 23

23 de set de 2011


SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. São Paulo: Perspectiva, 1978.
1.

tempo agora

2.

são presos de 52 minutos

3.

editel
votar
todo públicos

4.

informações da lua
chegando para o público

5.

a segunda cia do nordeste
vírus pessoal da capital do império
ouro

6.

o primeiro prêmio

7.

19 12 1º prêmio
19 12

8.

2º prêmio ps2 8 1
2º prêmio 72 81

9.

3º prêmio 10 99 99
vínculo resultado da loteca

10.

jogo da loteria
resultado oficial

11.

ando tão à flor da
liga frases

12.

pra você ao
vivo valdemar
apolinário

13.

adolescente de cueca branca
entrega bravo mar

14.

leopoldo proposta
tarde vazia
ira

15.

jovem pan
obras golzera
bahia

16.

preço álcool no terminal da avenida rotary
sorocaba
todos

17.

jovem pan abrava eva

18.

orbital 19 do 19
12 resultados da loteria
12 6 2 81 ouro
2 81

19.

tv 21
segundo tempo

20.

ana maria braga e louro
obrigado
pela vida de minha vida

21.

4º prêmio 49 9 4shared
quarenta e nove nove

22.

silva h rio de prêmios
02 55 cm 02 5 5
login blog
de suerda banca ator ubc
santa luzia do norte

23.

um abraço a todos
alô bebê

24.

resultado
todo poder do ritmo


[ transcrição de 60 segundos da jovem pan am por meio de software de reconhecimento de voz ]
1.

De acordo com o ministro, isto é,
De acordo com o ministro

2.

Onde se lê “ministro”, leia-se “ministro”

3.

Onde se lê “Onde”, leia-se “Onde”
Onde se lê “se”, leia-se “se”
Onde se lê “lê”, leia-se “lê”
Onde se lê “ministro”, leia-se “ministro”
Onde se lê “,”, leia-se “,”
Onde se lê “leia-se”, leia-se “leia-se”
Onde se lê “ministro”, leia-se “ministro”

4.

Onde se lê “Onde se lê Onde, leia-se Onde”,
leia-se “Onde se lê Onde, leia-se Onde”
Onde se lê “Onde se lê se, leia-se se”,
leia-se “Onde se lê se, leia-se se”
Onde se lê “Onde se lê lê, leia-se lê”,
leia-se “Onde se lê lê, leia-se lê”

etc.

5.

isto é, De acordo com o ministro
isto é, acordo com o ministro De
isto é, com o ministro De acordo
isto é, o ministro De acordo com
isto é, ministro De acordo com o
isto é
asemic omelette _ epilogue



Pitomba é uma revista com 44 páginas e tiragem de 500 exemplares. Sem periodicidade, privilegia a produção de artistas contemporâneos das regiões Norte-Nordeste, poetas, prosadores, artistas plásticos, músicos, ilustradores, quadrinhistas e fotógrafos de fora do centro do mapa cultural brasileiro. Editada por Bruno Azevêdo, Celso Borges e Reuben da Cunha Rocha.

Pitomba, a segunda, que não é necessariamente a número dois, tem capa assinada por Gabriel Góes, traduções de Reuben da Cunha Rocha, quadrinhos de Bruno Azevêdo e Rafael Rosa, fotos de Marília de laroche, poemas de Luís Inácio, Micheliny Verunschk, Carlos Loria,Tazio Zambi e Dyl Pires, e textos de Celso Borges e Flávio Reis, entre outros. O projeto gráfico é de Bruno Azevêdo, com colaboração de Celso e Reuben. A revista sai com o apoio da livraria Poeme-se.

-

ps: estou muito feliz com o resultado do trabalho desse trio: reuben da cunha rocha (grande parceiro e interlocutor), celso borges e bruno azevedo.


borandá

"Poesia é risco"
Augusto de Campos




tempo agora são presos de 52 minutos editel votar todo públicos ba informações da lua chegando para o público a segunda cia do nordeste vírus pessoal da capital do império ouro o primeiro prêmio 19 12 1º prêmio 19 12 2º prêmio ps2 8 1 2º prêmio 72 81 3º prêmio 10 99 99 vínculo resultado da loteca jogo da loteria resultado oficial ando tão à flor da liga frases pra você ao vivo valdemar apolinário adolescente de cueca branca habbo entrega bravo mar leopoldo proposta tarde vazia ira jovem pan obras golzera bahia preço álcool no terminal da avenida rotary sorocaba todos jovem pan abrava eva orbital 19 do 19 12 resultados da loteria 12 6'2 81 ouro 2 81 tv 21 segundo tempo ana maria braga e louro obrigado pela vida de minha vida 4º prêmio 49 9 4shared quarenta e nove nove silva h rio de prêmios 02 55 cm 02 5 5 login blog de suerda banca ator ubc santa luzia do norte um abraço a todos alô bebê resultado todo poder do ritmo

_ transcrição (60 segundos) da rádio jovem pan am por meio de software de reconhecimento de voz

papel termosensível preparado sobre ardósia
prepared thermosensitive paper on slate stone

e
agora
seu Carlos?
a
festa taí
acenderam as
luzes
a galera
taí
aquele seu poema
já encheu
o saco
(taí)
e agora
seu
Carlos? e
agora
você? você
que tem
nome
(Carlos?)
que
zomba dos
outros
que já não faz versos
nem ama
nem protesta?
e
agora
agora?
Eu me chamo Limeira da Nação,
O malhó cantadô da redondeza
Jesus Cristo vendia miudeza
Ferrabraz tinho tudo no Japão,
Um macaco enrabou a mãe do cão,
O Prefeito do Brejo não morreu,
O sertão nesse dia escureceu,
Salomão trabalhou no mesmo eito,
Você hoje me paga o que tem feito
Com os poetas mais fracos do que eu

Zé Limeira
Toda poética se faz a partir da concepção de ritmo que a acomete. (Todos, em tudo, somos acometidos pela concepção do ritmo.) No entanto, ritmo é uma palavra que assume múltiplas acepções, basicamente determinadas por seu uso cotidiano, mas que, apesar da diversidade das línguas e de suas culturas implicadas, tem um mesmo eixo gravitacional. De acordo com a esticologia tradicional, o ritmo está baseado nas relações métricas e entoativas do verso e não se refere a nada que não pertença ao plano sonoro, linear, temporal. A partir de analogias ingênuas com a teoria musical, se fundamenta na alternação entre unidades de tempo tônicas-fracas no compasso/verso para sua determinação. Daí a construção de uma terminologia complexa, esotérica, que se traveste de científica e que só distancia o ouvido dos sentidos envolvidos no contato com as materialidades em foco. Compreender o ritmo a partir das unidades de duração implicadas nesses processos é uma tarefa de deslocamento (ou retorno, na perspectiva etimológica) complexo. Assim como as imagens sonoras (privilegiadas pelo dinâmica métrica-tônica do verso), as imagens visuais, tácteis, olfativas e gustativas, se constituem como duração de sua percepção e, assim, se dividem tanto temporal quanto espacialmente constituindo as constelações sígnicas que são seu escopo. Assim como “As armas e os barões assinalados” dos Lusíadas de Camões e os primeiros compassos da Quinta Sinfonia de Beethoven, a Autobiografia de todo mundo, de Gertrude Stein e o filme Blow Job de Andy Warhol (etc.) se dividem em infraelementos indivisíveis que arranjados entre si constituem um ritmo, que não se baseia exclusivamente no plano sonoro, mas em todas as imagens envolvidas (sonoras, tácteis, olfativas e gustativas, incluindo-se em cada uma delas a dimensão catalisadora da memória). A poesia, assim, órfã da tradição recitativa, incorporada por meio de uma musicalidade bizarra que adestra e castra a vocalidade de seus intérpretes em favor do melífluo (esquizóide), se afasta radicalmente do verso e, por conseguinte, do tempo, pensado enquanto unidade que se processa linearmente. A poesia de texto, que é uma poesia do ritmo, se faz a partir da multiplicidade de sinais que a originam, independentemente de critérios valorativos convencionados, valendo-se de todo e qualquer material que se ofereça a qualquer sentido, a fim de processar uma escrita pansêmica, contínua e nômade.
a.

e o sinônimo de rio, o nunca
está mais em alta do que lifestyle
bem depois de colorir os cinemas
das principais capitais mundiais.

tem tudo a ver com a pele bronzeada
a animação brilhante no espaço.
o projeto ganhou azul no piso,
uma peça leve, composição.

"crio joias reais para mulheres
possíveis que podem ser conferidas
nessa nova coleção de linguagem"

a cidade dá nome ao lançamento
precioso dos destaques da rosa
que traduz o estilo easy going.


b.

foi por acreditar que as misturas
especiais resultam de experiências
que a joia perfeita precisa ser
exclusiva e funciona como

pedras spinel negras, prata e pérolas.
singular também é o entedimento.
sócias enviam as peças até
se não puder visitar o ateliê.

não é exagero dizer "desafio
à gravidade" do engenhoso brinco
duo: geometria e movimento.

na redação do jornal nacional
novidades para compor seu look
na hora de apresentar notícias.


c.

no início parecia mais um
daqueles hypes, entre os tantos tantos
que o mundo fashion alimenta mal.
não levou muito tempo e a estação

inusitada em formato de insetos
e criaturas macabras. antenas
mais apuradas. daí a virarem
sensação (multimarcas cool colette)

em paris foi um pulo. uma linha
estilística já desvinculada
de convenções e que flerta co'o estranho.

verdadeiro ensaio em ouro e esmalte
sobre a anatomia do corpo humano,
isso ainda que sapos e aranhas.
E 'l pentersi, e 'l conoscer chiaramente
Che quanto piace al mondo è breve sogno.
Petrarca


[ primeira série ]

a.

de tempos em tempos, é natural
cansar do guarda-roupa. de repente
tedioso, sem graça, so last season
e uma das melhores direções a

seguir é a do novo masculino
que você já leu na vogue. sutil
e infintamente mais refinado.
combina elementos elegantes

do universo masculino a outros
bem femininos e o resultado é
um visual, acima de tudo, novo.

existem maneiras de promover
esse update. apostar em texturas
se a intenção é uma versão literal


b.

alber elbaz está fazendo escola
não graças aos vestidos elegantes
que desenha para a lanvin. gravatas
-borboleta que usa dia sim

dia também, vêm inspirando todas
todos os gêneros de fashionistas
“estamos vendendo essas gravatas
que nem água”, afirma patrick grant

da tradicional alfaiataria
inglesa norton & sons. desde o começo
do ano, as mulheres também têm

se interessado em arrematar
papilons de tecido para um toque
fun no visual de palais royal


c.

o objetivo da conversa é falar
sobre a última do cantor de samba
autor de “burguesinha” e “carolina”
que acaba de se aventurar.

ele interpreta sucessos de jorge
ben e foi cantando sua versão bossa
nova que fez dueto mês passado.
sua volta popular já tem data

já com o lançamento em agosto
de três prometidos volumes com
o mesmo tema. em seguida faz

trilha sonora de filme francês.
“estou mais para influenciar
do que o mundo me influenciar”
"O erro do homem é pensar que é o fim do barbante. O barbante não tem fim."
Oswald de Andrade, A morta

se você parar pra pensar [ se vou separar pra pensar ]
_ primeiro quadrante



pa

rar

pra

se

pa

pra

vo


pen

sar

pa

rar

vo


vo


pen

sar

par

pra

pa

rar

pra

pen

sar

sear

se

pra

vo


pen

sar

vo


pen

sar

pa

rar

vo


prrar

pen

sar

vo


pra

se

se

pen

sar

se

pa

rar

vo


pra

pse

pra

pen

sar

se

pa

rar

en

sar

se

pa

rar

vo


se

pen

sar

pa

vo


pen

sar

pa

rar

vo


pra

vo


pa

rar

pra

pen

sar

vo


rar

pen

sar

vo


pa

ra

pra

caminha

24 de jul de 2011

"A sound, a whole sound is not separation,  a whole sound is in an order"
(Gertrude Stein, Tender Buttons)


primeiros mapas
14, 1 / 1500, 1 / 21, 1 / 22, 1 / 660, 1 / 670, 1 / 8, 1 / 9, 2 / a, 213 / à, 33 / abaixo, 1 / abraçavam-nos, 1 / abrigada, 1 / abril, 2 / abrindo, 1 / acabada, 6 / acabado, 4 / acarretar, 1 / Acarretavam, 1 / acatamento, 1 / Acenamos-lhes, 1 / acenaram, 2 / acenaram-lhes, 3 / acenaram-nos, 1 / acenava, 3 / acenavam, 1 / Acenderam-se, 1 / acenos, 1 / acenou, 1 / Acerca, 1 / achamento, 3 / achamos, 1 / achar, 1 / acharam, 5 / achassem, 1 / achávamos, 2 / achou, 1 / acima, 1 / aconchegaram-se, 1 / acostumado, 1 / acostumarem, 1 / acrescentamento, 1 / acrescentar, 1 / acudiram, 5 / Adão, 1 / adereço, 1 / admitiu, 1 / adoração, 1 / adormeceram, 1 / afagou, 1 / afastados, 1 / afastando, 2 / afastaram, 1 / afastassem, 2 / afastavam-se, 1 / afastavam, 1 / afear, 1 / Afonso, 5 / aformosentar, 1 / agasalhados, 1 / agasalhara, 1 / agasalhou, 2 / agora, 3 / agradavam, 1 / água, 17 / aguardavam, 1 / águas, 2 / agudo, 1 / aí, 4 / ainda, 9 / Aires, 2 / ajeitou-lhe, 1 / ajudar-nos, 1 / ajudavam, 1 / albarrada, 1 / alçaram, 1 / alcatifa, 3 / aldeia, 1 / alegre, 1 / além, 5 / algodão, 1 / alguém, 2 / algum, 2 / alguma, 13 / algumas, 2 / alguns, 26 / ali, 36 / alimárias, 1 / alimentos, 1 / aljôfar, 1 / almadia, 3 / almadias, 1 / almoxarife, 1 / alonguei, 1 / alta, 4 / altar, 5 / altas, 3 / Alteza, 27 / alto, 2 / altura, 1 / alva, 1 / amainaram, 2 / amainassem, 1 / amanhã, 1 / amanheceu, 1 / amansar, 2 / amansarmos, 1 / amansassem, 1 / amarela, 1 / amarelas, 2 / amarelos, 1 / amarrados, 1 / Ambos, 2 / amêijoas, 1 / amigos, 1 / amostra, 2 / ancho, 1 / ancoradas, 1 / ancoradouro, 1 / ancoragem, 2 / ancoraram, 2 / ancoras, 3 / andam, 5 / andamos, 2 / andando, 3 / Andando-se, 1 / andar, 1 / andaram, 2 / Andariam, 1 / andarmos, 1 / andava, 8 / andavam, 16 / andávamos, 1 / ande, 1 / andou, 2 / animais, 1 / animal, 1 / anos, 1 / Antes, 7 / ao, 40 / aos, 17 / aparadas, 1 / aparecer, 1 / apareceram, 1 / apareceu, 1 / aparências, 1 / apaulada, 1 / apaziguar, 1 / Apenas, 4 / apesar, 2 / aportou, 1 / após, 1 / Apóstolos, 1 / aprenderem, 1 / aprenderiam, 1 / aprontavam-se, 1 / aproveitar, 1 / aproveitasse, 1 / aproveitou, 1 / aquando, 1 / aquela, 6 / aquele, 6 / aqueles, 5 / aquém, 3 / aquentarem, 1 / aqui, 24 / aquilo, 6 / ar, 2 / arco, 3 / arcos, 22 / areia, 2 / ares, 1 / armados, 1 / armadura, 1 / armar, 1 / armaram, 1 / armas, 1 / arranjado, 1 / arranjassem, 1 / arremessou, 1 / arremessou-lhe, 1 / arroz, 1 / arvorar, 1 / árvore, 1 / arvoredo, 2 / arvoredos, 4 / árvores, 3 / as, 43 / às, 15 / assaz, 1 / assentados, 2 / assentar, 1 / assentou, 1 / assim, 44 / assistimos, 1 / assistiram, 1 / atada, 2 / atadas, 2 / atado, 1 / Ataíde, 1 / Até, 16 / atendíamos, 1 / atrás, 1 / atravessavam, 1 / ave, 2 / avermelhados, 1 / aves, 6 / avistamos, 1 / azulada, 1 / bacia, 1 / baía, 2 / bailaram, 1 / baixamar, 1 / baixas, 1 / baixo, 7 / banda, 1 / bandeira, 4 / barbaria, 1 / barco, 1 / barreiras, 1 / barrete, 1 / barretes, 1 / barriga, 1 / barris, 2 / Bartolomeu, 7 / basta, 2 / bastante, 1 / bastantes, 1 / Bastará, 1 / bastava, 1 / basto, 1 / batéis, 15 / batel, 7 / batizar, 1 / bebendo, 1 / beber, 3 / beberam, 1 / bebiam, 2 / beiço, 6 / beiços, 3 / beijá-la, 1 / beijar, 2 / beijássemos, 1 / Beijo, 1 / beira, 2 / bela, 1 / Belém, 1 / belo, 1 / bem, 42 / berbigões, 1 / besta, 1 / bestial, 1 / bico, 1 / bicos, 2 / boa, 5 / boas, 1 / boca, 6 / bocas, 1 / bochecho, 1 / boi, 1 / bom, 4 / bons, 9 / bordo, 1 / borracha, 1 / botelho, 1 / braças, 6 / braço, 1 / braços, 1 / braga, 1 / brancas, 4 / branco, 1 / branda, 1 / brincaram, 1 / buraco, 3 / buracos, 1 / buscar, 1 / buzina, 1 / cá, 1 / cabaças, 2 / cabeça, 2 / cabeleira, 3 / cabeleiras, 2 / cabelo, 1 / cabelos, 3 / cabia, 1 / Cabo, 1 / cabos, 2 / cabra, 1 / caçar, 1 / cada, 10 / cadeira, 4 / calcular, 1 / Calicute, 1 / calma, 1 / cama, 2 / camarões, 1 / caminho, 2 / camisa, 4 / campainha, 1 / Canária, 1 / Canárias, 1 / canas, 1 / cantada, 1 / cantavam, 1 / capitães, 6 / Capitaina, 2 / Capitanisol-postoa, 1 / Capitão, 40 / Capitão-mor, 6 / Capitão, 10 / cara, 1 / carapuça, 4 / carapuças, 7 / carapucinha, 1 / cargo, 1 / carneiro, 1 / carpinteiros, 2 / casa, 2 / casas, 3 / cascalho, 1 / cascas, 1 / cascavéis, 2 / cascavel, 2 / caso, 3 / castanheiras, 1 / castiçal, 2 / católica, 1 / catorze, 1 / causa, 4 / causou, 1 / cedo, 1 / cento, 1 / cera, 1 / cerca, 1 / cercado, 1 / cerrada, 1 / cerradinhas, 1 / certamente, 1 / certifico, 1 / certo, 4 / céu, 2 / cevadouro, 1 / chã, 3 / chalaças, 1 / chamam, 2 / chamava, 2 / chamou, 1 / chão, 2 / chegados, 1 / chegamos, 4 / chegando, 1 / chegar, 3 / chegaram, 2 / chegaram-se, 1 / chegaríamos, 1 / chegassem, 1 / chegássemos, 1 / chegou, 2 / cheia, 1 / cheio, 1 / cheios, 1 / chinchorro, 1 / choupaninhas, 1 / chuvaceiros, 1 / cima, 10 / cinco, 7 / cinqüenta, 6 / clérigo, 1 / cobertas, 1 / cobertura, 1 / cobria, 1 / cobrir, 1 / cobrisse, 2 / Coelho, 7 / coisa, 18 / coisas, 3 / coisinhas, 1 / colar, 5 / colchões, 1 / colhemos, 2 / colo, 1 / colocá-la, 1 / colocada, 1 / colos, 1 / com, 116 / começaram, 3 / começo, 1 / começou, 3 / comem, 2 / comemos, 3 / comer, 10 / comeram, 2 / comeu, 1 / comia, 1 / Comiam, 1 / comida, 2 / comido, 2 / como, 42 / companhia, 1 / compridas, 4 / compridos, 2 / comprimento, 2 / comungando, 1 / comungaram, 2 / comunhão, 2 / concordaram, 2 / confeição, 2 / confeitos, 1 / conforme, 1 / conhecimentos, 1 / conosco, 9 / conquanto, 1 / conselho, 1 / consentindo, 1 / consentir, 1 / conservou, 1 / consigo, 3 / constranger, 1 / construíam, 1 / conta, 4 / contar, 1 / contas, 6 / contente, 1 / continhas, 3 / contra, 3 / contrário, 1 / Contudo, 2 / convenço, 1 / conversa, 1 / conversação, 1 / convertera, 1 / convertidos, 1 / convidáramos, 1 / copazinha, 1 / cor, 4 / cores, 2 / corno, 1 / corpos, 5 / corre, 2 / Corrêa, 1 / corredios, 1 / correndo, 1 / correria, 1 / corriam, 1 / cortam, 1 / cortar, 1 / cortara, 1 / cortesia, 1 / costa, 4 / costas, 3 / costume, 2 / coto, 1 / cova, 1 / coxa, 1 / coxas, 1 / coxim, 1 / cozido, 2 / creia, 1 / Creio, 9 / cremos, 1 / crença, 1 / crer, 1 / criado, 1 / criam, 2 / cristã, 1 / cristãos, 2 / Cristo, 1 / crucifixos, 1 / cruz, 11 / cruzes, 1 / cuidado, 1 / cuidar, 1 / cuidássemos, 1 / cuja, 1 / cujo, 1 / cumprir, 1 / cunhas, 1 / cunho, 1 / curá-los, 1 / curados, 1 / curtos, 2 / curvas, 1 /

recaminha : mapas _ carta de pero vaz de caminha sob organização alfabética + número de ocorrência de seus elementos

[ to be continued ]
Se exibe aos permite à experiência. lacunas. Nada aqui deverá se permite à experiência. esboço. Propósito de aqui deverá se promessa. Contudo: insta-me permite à experiência. a permanência do deixar circunscrever ao a permanência do aqui deverá se quase total, inquestionável, Este espaço se promessa. Contudo: insta-me pântano das promessas. notar) a extensão pântano das promessas. esboço. Propósito de do inacabado. olhares casuais como pântano das promessas. Note-se (ou tente-se notar) a extensão Este espaço se do inacabado. esboço. Propósito de olhares casuais como lacunas. Nada a permanência do Note-se (ou tente-se deixar circunscrever ao promessa. Contudo: insta-me Se exibe aos notar) a extensão deixar circunscrever ao deixar circunscrever ao quase total, inquestionável, lacunas. Nada olhares casuais como do inacabado. Note-se (ou tente-se lacunas. Nada quase total, inquestionável, quase total, inquestionável, Se exibe aos do inacabado. a permanência do olhares casuais como Note-se (ou tente-se aqui deverá se permite à experiência. Este espaço se Se exibe aos Este espaço se notar) a extensão promessa. Contudo: insta-me esboço. Propósito de pântano das promessas. inacabado. esboço. Propósito promessa. Contudo: insta-me Se exibe aos aqui deverá se esboço. Propósito de a permanência do das promessas. Note-se Se exibe aos notar) a extensão pântano das promessas. das promessas.permite à experiência. lacunas. Nada Propósito de pântano a extensão promessa. esboço. Propósito de como lacunas. aqui deverá se aqui deverá se notar) a extensão a permanência do à experiência. Este notar) a extensão do inacabado. a de olhares casuais pântano das promessas. ao quase total, espaço se Se a permanência do aqui deverá se de olhares casuais extensão deixar circunscrever aqui deverá se tente-se deixar circunscrever ao promessa. Contudo: Contudo: insta-me esboço. inquestionável, lacunas. a extensão promessa. permite à experiência. pântano das promessas. aqui deverá se permanência do olhares exibe aos Este como do inacabado. como lacunas. aqui deverá se (ou tente-se notar) Este espaço se a permanência do ao promessa. Contudo: permite à experiência. Se exibe aos casuais como Note-se exibe aos Este pântano das promessas. promessa. Contudo: insta-me aqui deverá se casuais como Note-se quase total, inquestionável, das promessas. Note-se aos notar) a como do inacabado. aqui deverá se tente-se deixar circunscrever quase total, inquestionável, olhares casuais como de olhares casuais quase total, inquestionável, de olhares casuais Este espaço se aqui deverá se espaço se do ao deixar circunscrever Este espaço se das promessas.Se exibe aos Nada olhares casuais promessa. Contudo: insta-me a extensão promessa. pântano das promessas. promessa. Contudo: insta-me (ou tente-se notar) permite à experiência. casuais como pântano ao quase total,
Note-se (ou tente-se inacabado. esboço. Propósito permite à experiência. promessa. Contudo: insta-me deverá se permite Nada a permanência como lacunas. lacunas. Nada promessa. Contudo: insta-me deixar circunscrever ao casuais como pântano inquestionável, lacunas. permanência do olhares extensão deixar circunscrever esboço. Propósito de promessa. Contudo: insta-me inquestionável, lacunas. a permanência do deixar circunscrever ao Se exibe aos Nada a permanência permite à experiência. quase total, inquestionável, pântano das promessas. pântano das promessas. permanência do olhares do inacabado. olhares ao promessa. Contudo: casuais como pântano esboço. Propósito de deverá se permite deverá se permite aqui deverá se Propósito de pântano ao deixar circunscrever Propósito de pântano à experiência. Este Nada olhares casuais quase total, inquestionável, inquestionável, lacunas. do Note-se (ou das promessas.espaço se do como lacunas. aqui deverá se Propósito de pântano espaço se Se espaço se do ao deixar circunscrever a permanência do Note-se (ou tente-se exibe aos Este Nada a permanência lacunas. Nada casuais como Note-se aos notar) a insta-me Se exibe como do inacabado. lacunas. Nada lacunas. Nada esboço. Propósito de quase total, inquestionável, permite à experiência. quase total, inquestionável, do inacabado. a do Note-se (ou extensão deixar circunscrever insta-me Se exibe lacunas. Nada a extensão Este (ou tente-se aqui Este espaço se esboço. Propósito de promessa. Contudo: insta-me Se exibe aos deixar circunscrever ao Se exibe aos Nada olhares casuais tente-se deixar circunscrever quase total, inquestionável, esboço. Propósito de do inacabado. olhares pântano das promessas. lacunas. Nada aqui deverá se olhares casuais como a permanência do quase total, inquestionável, aos notar) a a extensão promessa. quase total, inquestionável, casuais como Note-se do inacabado. a lacunas. Nada permite à experiência. Contudo: insta-me esboço. esboço. Propósito de do inacabado. olhares aqui deverá se ao promessa. Contudo: pântano das promessas. do inacabado. a (ou tente-se aqui ao quase total, quase total, inquestionável, permite à experiência. esboço. Propósito de Contudo: insta-me esboço. aqui deverá se quase total, inquestionável, exibe aos Este deixar circunscrever ao espaço se notar) espaço se notar) a extensão Este casuais como pântano das promessas. Note-se do Note-se (ou permite à experiência. espaço se Se inacabado. esboço. Propósito Este espaço se promessa. Contudo: insta-me permite à experiência. (ou tente-se aqui Nada olhares casuais notar) a extensão notar) a extensão a extensão Este do inacabado. das promessas.pântano das promessas. ao deixar circunscrever (ou tente-se aqui espaço se notar) Nada a permanência espaço se notar) Se exibe aos Se exibe aos lacunas. Nada à experiência. Este permanência do olhares permite à experiência. permite à experiência. Este espaço se insta-me Se exibe permite à experiência. como do inacabado. pântano das promessas. tente-se deixar circunscrever do Note-se (ou inacabado. esboço. Propósito do inacabado. esboço. Propósito de (ou tente-se notar) Note-se (ou tente-se Contudo: insta-me esboço. aos notar) a esboço. Propósito de insta-me Se exibe a permanência do deverá se permite do inacabado. olhares ao quase total, deixar circunscrever ao a permanência do (ou tente-se notar) espaço se Se extensão deixar circunscrever Note-se (ou tente-se permite à experiência. quase total, inquestionável, a permanência do lacunas. Nada Note-se (ou tente-se espaço se do promessa. Contudo: insta-me das promessas. Note-se à experiência. Este notar) a extensão a extensão Este insta-me esboço. aqui total, inquestionável, casuais tente-se deixar circunscrever das promessas. Se exibe Se exibe aos a extensão promessa. exibe aos aqui notar) a extensão do inacabado. lacunas. aqui deverá se exibe aos notar) insta-me (ou tente-se inacabado. olhares pântano ao Se exibe inacabado. olhares aqui promessa. Contudo: insta-me das promessas.do Note-se (ou permanência do olhares Se exibe aos se do ao como do inacabado. se Se inacabado. aos Nada a pântano à experiência. aqui deverá se quase total, quase permite à experiência. do inacabado. a insta-me Se exibe pântano esboço. Propósito deverá se Propósito a extensão promessa. circunscrever ao Se deverá se esboço. do inacabado. a exibe aos deixar Propósito de pântano inacabado. a do lacunas. aqui exibe aos notar) deixar circunscrever insta-me insta-me Se exibe promessa. Contudo: insta-me Se exibe aos Contudo: casuais como notar) a insta-me de olhares casuais de pântano espaço se do como deixar circunscrever quase Contudo: insta-me esboço. pântano das promessas. espaço se do ao promessa. Contudo: permite deverá se aqui deverá se pântano das promessas. inacabado. olhares ao pântano ao quase ao promessa. Contudo: extensão Este (ou insta-me inquestionável, lacunas. Propósito de (ou permite deverá se pântano das promessas. aqui deverá se a extensão Este a permanência do Este Nada olhares promessa. Contudo: insta-me a permanência lacunas. olhares casuais como Este espaço se promessa. Contudo: insta-me exibe aos Este pântano das promessas. Contudo: insta-me Se Propósito permite à a extensão a notar) a extensão Nada Note-se Note-se (ou tente-se a permanência do (ou tente-se aqui casuais como pântano lacunas. aqui a extensão a pântano ao deixar permite aqui deverá (ou tente-se notar) espaço se notar) deverá se esboço. Propósito de (ou casuais como Note-se espaço se notar) circunscrever ao Se pântano das promessas. aqui deverá se Propósito de a total, inquestionável, a espaço se notar) como do inacabado. aos Este deixar promessa. Contudo: insta-me extensão deixar circunscrever Contudo: insta-me esboço. Contudo: insta-me permite à experiência. Este Nada olhares casuais promessas.pântano das promessas. promessas. Note-se à tente-se notar) Note-se olhares casuais tente-se deverá se Propósito exibe aos Este à experiência. (ou permanência do olhares promessas. Note-se Se inquestionável, lacunas. à experiência. Este de olhares casuais esboço. Propósito Este olhares casuais como como Note-se aos total, inquestionável, esboço. lacunas. Nada casuais como Note-se pântano das promessas. quase total, inquestionável, permanência do das tente-se aqui Este olhares do inacabado. Contudo: insta-me esboço. (ou tente-se notar) esboço. Propósito Este inquestionável, lacunas. ao promessa. Contudo: olhares do inacabado. permanência do olhares à experiência. (ou de olhares casuais promessa. Contudo: insta-me promessa. Contudo: insta-me notar) a extensão permite deverá se quase total, inquestionável, Contudo: insta-me Se Este espaço se a extensão Este permite à experiência. espaço se do à experiência. Este à experiência. Este circunscrever esboço. Propósito extensão deixar circunscrever espaço se Se Contudo: insta-me das como lacunas. permite Nada a aqui deverá se Contudo: insta-me Se permanência do Nada a permanência casuais como pântano aqui deverá se à experiência. Este promessa. pântano das espaço se notar) Este espaço se aqui deverá se Se exibe a aos notar) a insta-me (ou tente-se ao deixar circunscrever deverá se quase permite à experiência. Este Nada olhares total, inquestionável, do inacabado. olhares aqui inacabado. esboço. Propósito a permanência do Propósito de do permite Nada a notar) a a promessa. Contudo: insta-me olhares ao promessa. Contudo: insta-me esboço. ao promessa. Contudo: do inacabado. a aqui deverá se do inacabado. lacunas. casuais como Note-se a permanência de olhares casuais do inacabado. a ao casuais como Se exibe como permite à experiência. do Note-se (ou insta-me deverá se lacunas. permite à experiência. esboço. Propósito de lacunas. Nada Contudo: insta-me Se a extensão promessa. a permanência do Propósito de insta-me ao quase total, tente-se aqui ao inquestionável, lacunas. como do inacabado. total, inquestionável, permite deverá se quase experiência. promessa. Contudo: quase total, inquestionável, aqui deverá se promessa. Contudo: insta-me à experiência. Este como Note-se aos Este espaço se a permanência do Nada lacunas. pântano das promessas. experiência. quase total, (ou tente-se exibe circunscrever ao Se (ou tente-se permite como lacunas. aqui deverá se espaço se notar) olhares extensão deixar se Propósito de do Note-se (ou à experiência. Este das promessas. das insta-me a extensão de olhares casuais extensão deixar circunscrever se notar) a das promessas. das espaço se do Nada a permanência Propósito de pântano se do como a extensão promessa. à experiência. esboço. Nada Note-se Note-se (ou tente-se inacabado. esboço. Propósito lacunas. aqui casuais como pântano do Note-se (ou promessa. Contudo: insta-me Nada permite do Note-se total, inquestionável, a como pântano das notar) a extensão experiência. casuais como das promessas. Note-se ao promessa. Contudo: experiência. quase total, tente-se notar) espaço experiência. Este notar) casuais como Note-se pântano das promessas. aqui deverá se se notar) a Se exibe aos total, inquestionável, permite espaço se do aos Este Nada ao quase total, Contudo: casuais como Note-se (ou permite Note-se (ou extensão (ou das promessas.espaço de olhares casuais aqui deverá se ao casuais como Contudo: insta-me Se tente-se deixar circunscrever extensão Este do permite à experiência. insta-me esboço. esboço. como lacunas. Nada promessa. Contudo: tente-se deixar circunscrever Se exibe como exibe aos deixar quase total, inquestionável, Nada a espaço se Se do inacabado. lacunas. olhares casuais notar) exibe aos aqui insta-me inquestionável, lacunas. (ou tente-se aqui aqui deverá se experiência. casuais como aqui deverá se das promessas. Note-se Se exibe aos de olhares casuais ao promessa. Contudo: permite à experiência. Nada olhares casuais das promessas. do pântano das promessas. das promessas.Se exibe total, inquestionável, do como Note-se aos circunscrever esboço. Propósito se Se espaço promessa. pântano das Propósito permite à das promessas. Note-se do inacabado. esboço. notar) a extensão pântano das promessas. se do como a extensão promessa. insta-me deverá se aqui deverá se aos Nada a permite à experiência. permite à experiência. Propósito de quase quase total, inquestionável, insta-me Se exibe tente-se deixar circunscrever como lacunas. insta-me deverá se promessa. Contudo: insta-me inacabado. esboço. Propósito promessas. promessa. Contudo: esboço. Propósito promessa. Contudo: insta-me permite permanência como lacunas. espaço se Se ao quase total, espaço se Se à experiência. espaço tente-se deixar circunscrever de olhares casuais insta-me esboço. aos quase total, inquestionável, inacabado. esboço. Propósito de olhares casuais quase total, inquestionável, inquestionável, lacunas. casuais como pântano promessa. Contudo: insta-me se notar) espaço lacunas. Nada deixar circunscrever ao das promessas. Note-se total, inquestionável, permite Este espaço se a extensão promessa. promessas. permanência do quase total, inquestionável, Se exibe a circunscrever ao a permite à experiência. espaço se Se ao deixar circunscrever exibe aos Nada como lacunas. de pântano espaço como do inacabado. Propósito de a permanência do das promessa. Contudo: insta-me insta-me esboço. esboço. aqui deverá se Propósito de Contudo: exibe aos Este aqui deverá se aqui deverá se se notar) espaço extensão promessa. quase como do inacabado. do Note-se a extensão a aos notar) a circunscrever ao a quase total, inquestionável, Note-se (ou tente-se aqui deverá se do deixar circunscrever exibe aos Este à experiência. Este insta-me esboço. aos promessa. Contudo: pântano do Note-se (ou tente-se deixar circunscrever das promessas.Se exibe do Note-se à experiência. Este (ou tente-se exibe pântano das promessas. exibe aos Este lacunas. Nada a permanência de pântano espaço Se exibe lacunas. Contudo: casuais como pântano das promessas. de olhares casuais (ou tente-se notar) ao quase total, deixar circunscrever insta-me promessas. Note-se do a permanência olhares ao promessa. olhares casuais notar) à experiência. (ou inquestionável, lacunas. inacabado. olhares ao de olhares casuais aqui deverá se como lacunas. deixar circunscrever a se Propósito de espaço se promessa. pântano ao deixar esboço. Propósito Este pântano das promessas. tente-se inacabado. esboço. circunscrever ao espaço Contudo: insta-me permite Nada a permanência das promessas. Note-se quase total, inquestionável, de promessa. Contudo: esboço. Propósito de como pântano das permanência do das promessas. Note-se como do inacabado. Nada lacunas. permite à experiência. pântano ao deixar notar) a extensão tente-se deixar circunscrever espaço se notar) a extensão pântano permite à experiência. aqui deverá se extensão Este casuais a extensão promessa. aqui deverá se tente-se aqui Este promessa. pântano das de olhares casuais das promessas. Note-se permanência do Note-se exibe aos Este aqui deverá se do deixar circunscrever Se exibe aos Contudo: insta-me esboço. a permanência do olhares casuais notar) Propósito de promessa. Nada casuais Este espaço se esboço. Propósito de Nada casuais notar) a extensão ao deixar circunscrever permanência do lacunas. insta-me esboço. aqui (ou das promessas.espaço aqui deverá se pântano das promessas. aqui deverá se Se exibe aos permanência do olhares do deixar circunscrever do inacabado. olhares casuais como Note-se à experiência. espaço permanência permite à espaço se Se quase total, inquestionável, inquestionável, pântano das experiência. casuais como aqui deverá se permite à experiência. permanência do quase lacunas. Nada deverá se quase a extensão promessa. promessas. promessa. Contudo: casuais como Note-se Nada lacunas. Este espaço se esboço. Propósito de notar) a extensão como Note-se do quase total, inquestionável, inacabado. a (ou exibe aos aqui espaço se do pântano ao quase de deverá se ao casuais como casuais promessa. Contudo: permite à experiência. ao promessa. Contudo: permanência permite à se do promessa. se Se espaço quase total, inquestionável, Se exibe aos pântano das promessas. aos Este deixar lacunas. Nada tente-se aqui Nada Nada a pântano das promessas. exibe aos Nada à experiência. Este aos Nada olhares lacunas. permite à experiência. insta-me esboço. aqui permite à experiência. Nada permite exibe aos aqui promessas. pântano das total, inquestionável, exibe como lacunas. ao deixar circunscrever quase total, inquestionável, Se exibe aos pântano inquestionável, lacunas. circunscrever esboço. Propósito aos notar) a deverá se ao permite à experiência. aqui deverá se como do inacabado. Propósito de insta-me Nada a permanência Se exibe lacunas. de olhares casuais total, inquestionável, permite lacunas. Nada insta-me deixar circunscrever à experiência. Este promessas. permanência do exibe aos Este à experiência. Contudo: espaço se notar) inacabado. a lacunas. (ou tente-se Contudo: extensão deixar circunscrever quase total, inquestionável, a extensão promessa. à experiência. esboço. aqui deverá se das promessas.Se exibe se do ao promessas. pântano das permite à experiência. Propósito de a ao deixar circunscrever insta-me inquestionável, lacunas. extensão Este do notar) permite à se Se extensão espaço se promessa. Nada casuais insta-me a extensão de olhares casuais Nada esboço. deixar circunscrever a extensão Este olhares do inacabado. do inacabado. a à experiência. quase das promessas. Note-se a extensão notar) aqui deverá se pântano das promessas. aqui deverá se deverá se Propósito aqui deverá se Este espaço se permite à experiência. promessa. Contudo: insta-me Se exibe lacunas. olhares ao promessa. total, inquestionável, permite tente-se deixar circunscrever Propósito de insta-me inacabado. a (ou total, inquestionável, exibe quase total, inquestionável, tente-se deixar circunscrever aos Este Nada das promessas. do exibe aos notar) permanência permite à esboço. Propósito Este tente-se aqui ao casuais quase total, aqui deverá se deverá se Propósito inacabado. a lacunas. promessas. pântano das permanência do olhares inacabado. das a permanência do extensão deixar circunscrever de olhares casuais das promessas. das do inacabado. olhares permite à experiência. total, inquestionável, permite total, inquestionável, esboço. a permanência lacunas. a permanência do promessa. Contudo: insta-me circunscrever Propósito de Este espaço se a permanência do Propósito de (ou como lacunas. quase total, inquestionável, notar) permite à Propósito de (ou Nada esboço. deixar circunscrever ao circunscrever ao espaço casuais promessa. Contudo: a extensão Este Note-se (ou extensão circunscrever ao Se experiência. Este notar) total, inquestionável, exibe se Propósito de aqui deverá se à experiência. quase pântano das promessas. experiência. Este notar) Se exibe como espaço se notar) deverá se permite espaço se notar) permanência do Note-se ao deixar circunscrever das promessas. inacabado. Propósito de do ao Se exibe aos notar) a aqui deverá se (ou tente-se aqui de olhares casuais ao deixar circunscrever Se exibe aos casuais como pântano a permanência do Este Nada olhares ao quase total, Propósito de promessa. tente-se aqui Este lacunas. Nada Propósito de do (ou tente-se exibe exibe aos Nada esboço. Propósito promessa. permite à experiência. esboço. Propósito promessa. à experiência. Este das promessas. Note-se esboço. Propósito de experiência. promessa. Contudo: como do inacabado. esboço. Propósito de deverá se permite deixar circunscrever Note-se espaço se do de olhares casuais promessas. Note-se do a extensão promessa. olhares extensão deixar Nada a tente-se notar) espaço (ou das promessas.espaço total, inquestionável, casuais ao promessa. Contudo: pântano das promessas. Nada permite quase total, deixar de deverá se aos notar) a notar) permite à a permanência do deverá se permite do inacabado. a se do ao a permanência do circunscrever Propósito de a extensão notar) (ou tente-se espaço espaço se Se ao deixar circunscrever promessas. Note-se Se ao promessa. Contudo: aqui deverá se circunscrever Propósito de pântano à experiência. aqui deverá se à experiência. (ou Propósito de pântano à experiência. espaço lacunas. Nada aos Nada a esboço. Propósito de notar) a insta-me Se exibe aos espaço se promessa. inacabado. a (ou permite à experiência. Contudo: insta-me esboço. deverá se ao extensão deixar circunscrever das promessas. lacunas. à experiência. quase esboço. Propósito de total, inquestionável, permite Propósito de promessa. Contudo: casuais como aqui deverá se deverá se esboço. Propósito permite à a permanência do notar) a a tente-se aqui Este lacunas. Nada permite Nada a ao quase total, espaço se esboço. Nada a permanência Propósito de do extensão Este (ou (ou tente-se notar) aos Nada olhares ao promessa. Contudo: esboço. Propósito de total, inquestionável, do promessa. Contudo: insta-me permanência do deverá olhares casuais como exibe aos Este a permanência do inacabado. esboço. Propósito quase total, quase de olhares casuais deixar circunscrever ao insta-me esboço. esboço. se Se extensão aqui deverá se das promessas.quase total, inquestionável, a permanência do tente-se deixar circunscrever exibe aos Este Propósito de pântano Nada olhares casuais permite à experiência. promessas. permanência do ao deixar circunscrever Nada promessa. Contudo: à experiência. quase lacunas. Nada Este Nada olhares Nada casuais Propósito de do à experiência. Este aqui deverá se extensão deixar circunscrever inquestionável, lacunas. Contudo: insta-me Se espaço se notar) casuais promessa. Contudo: promessas.permite à experiência. permanência do deverá permanência do Note-se à experiência. Contudo: deixar circunscrever ao inacabado. olhares ao ao promessa. Contudo: circunscrever esboço. Propósito casuais como Note-se ao quase total, de promessa. Contudo: insta-me deverá se aqui deverá se Nada lacunas. permanência do olhares casuais como Note-se extensão Este (ou Este espaço se insta-me inquestionável, lacunas. deverá se ao aos Este deixar permite à experiência. insta-me a extensão aqui deverá se tente-se deixar circunscrever à experiência. quase como do inacabado. pântano das promessas. exibe aos Nada Nada a permanência ao promessa. Contudo: lacunas. Nada promessas. Note-se Se a permanência do se do ao total, Note-se (ou aqui deverá se pântano das promessas. espaço se esboço. à experiência. espaço olhares casuais como Se exibe aos a extensão pântano Se exibe aos Propósito de quase espaço se notar) Nada aqui permite à experiência. a permanência lacunas. permanência do Note-se Propósito de pântano deixar circunscrever insta-me total, inquestionável, esboço. à experiência. Este tente-se notar) Note-se das promessas. do tente-se notar) Note-se insta-me Se exibe promessas.pântano das promessas. aqui deverá se (ou tente-se espaço insta-me (ou tente-se a extensão a notar) a extensão promessas. Note-se do aqui deverá se pântano das promessas. experiência. quase total, Este espaço se tente-se deixar circunscrever pântano das promessas. Propósito de quase Propósito de pântano tente-se notar) Note-se permanência como lacunas. olhares extensão deixar circunscrever ao a pântano inquestionável, lacunas. aos notar) a pântano das promessas. insta-me Se exibe como Note-se do pântano das promessas. insta-me esboço. aos inacabado. a do como lacunas. espaço se Se notar) a esboço. permanência do olhares de olhares casuais das promessas. das total, Note-se (ou à experiência. esboço. insta-me deixar circunscrever permanência como lacunas. permanência do olhares insta-me deixar circunscrever Este espaço se lacunas. aqui a permanência do total, inquestionável, do se do promessa. Este espaço se notar) permite à permanência do olhares inquestionável, lacunas. ao deixar circunscrever extensão Este casuais promessas. promessa. Contudo: inacabado. esboço. Propósito pântano ao quase permite à experiência. a extensão promessa. deverá se olhares inacabado. esboço. Propósito inacabado. olhares pântano Se exibe aos lacunas. Nada casuais como Note-se esboço. Propósito promessa. experiência. Este notar) Se exibe aos permanência do quase como do inacabado. promessa. Contudo: pântano do inacabado. lacunas. total, inquestionável, aos Propósito de Contudo: se Propósito de quase total, inquestionável, permite à experiência. de promessa. Contudo: casuais como Note-se total, inquestionável, a a extensão a Propósito de insta-me Se exibe lacunas. à experiência. quase espaço se do Nada olhares casuais como lacunas. aqui deverá se deverá se olhares casuais como a total, inquestionável, aos aqui deverá se inacabado. esboço. Propósito pântano ao quase tente-se notar) espaço (ou tente-se notar) lacunas. Nada Propósito de pântano ao quase total, se Se inacabado. deverá se permite circunscrever ao espaço notar) a insta-me notar) a a Nada esboço. Contudo: insta-me Se Propósito de quase ao Se exibe notar) a extensão esboço. Propósito de deixar circunscrever quase promessas. Note-se à pântano ao deixar Se exibe aos permite à experiência. como Note-se do aos Nada olhares promessa. Contudo: pântano a extensão promessa. aos Nada a do Note-se (ou pântano das promessas. de olhares casuais à experiência. quase Nada aqui Nada olhares casuais de olhares casuais a permanência do se do como pântano esboço. Propósito se Se inacabado. promessas.permite à experiência. inacabado. olhares ao permite à experiência. permanência do olhares promessas. Note-se à circunscrever ao a notar) a a experiência. casuais como das promessas. lacunas. Este espaço se pântano esboço. Propósito deixar circunscrever a ao deixar circunscrever se permite do a extensão promessa. inacabado. esboço. Propósito deixar circunscrever a Nada aqui se Se inacabado. permanência do quase notar) a esboço. como pântano das promessa. Contudo: insta-me como Note-se do permite à experiência. extensão Este casuais como pântano notar) a extensão do inacabado. a exibe aos deixar promessas. pântano das promessas. promessas. promessa. Contudo: lacunas. Propósito de a Este espaço se permanência do Se exibe aos pântano das promessas. (ou tente-se permite do Note-se do Note-se (ou espaço se esboço. como do inacabado. notar) a insta-me circunscrever ao espaço inquestionável, inquestionável, lacunas. como do inacabado. Propósito de do das promessas. inacabado. pântano inquestionável, lacunas. permanência do deverá permanência do (ou olhares casuais notar) à experiência. quase do inacabado. a insta-me Se exibe se Se extensão se do promessa. deixar circunscrever insta-me Nada Note-se inquestionável, inquestionável, lacunas. casuais quase total, Propósito de do tente-se inacabado. esboço. ao Se exibe a extensão a extensão promessa. quase se notar) espaço permite à experiência. esboço. Propósito de como do inacabado. deixar circunscrever quase inacabado. olhares pântano Se exibe aos experiência. quase total, aqui deverá se como do inacabado. extensão Este casuais como lacunas. permanência do olhares total, inquestionável, aos (ou tente-se espaço Se exibe aos total, inquestionável, a ao quase total, Propósito de pântano permanência do (ou aqui deverá se casuais como Note-se casuais como pântano Contudo: insta-me esboço. olhares casuais tente-se experiência. promessa. Contudo: quase total, quase ao casuais como (ou tente-se aqui casuais como a (ou tente-se notar) a extensão notar) Nada permite extensão Este do se do promessa. promessas. pântano das insta-me deixar circunscrever do inacabado. esboço. espaço se do Contudo: insta-me das (ou tente-se espaço se permite do aos Este Nada inquestionável, lacunas. inacabado. a lacunas. aqui deverá se extensão Este permanência do olhares (ou tente-se Contudo: Se exibe aos aqui deverá se Este espaço se lacunas. Nada do inacabado. olhares de olhares casuais espaço se notar) insta-me esboço. esboço. Nada olhares casuais inacabado. das total, Note-se (ou como pântano das inacabado. das promessas. permanência do tente-se deixar circunscrever se Se extensão Se exibe a notar) a extensão quase total, deixar aos Este Nada (ou tente-se notar) promessas. pântano das promessas. deverá se quase olhares casuais tente-se Contudo: insta-me das Se exibe como Se exibe aos aqui deverá se aos Este deixar Note-se (ou extensão pântano das promessas. olhares do inacabado. olhares casuais como Se exibe a quase total, inquestionável, deixar circunscrever ao inacabado. olhares pântano quase total, inquestionável, extensão deixar circunscrever das promessas. inacabado. Este espaço se do inacabado. olhares de deverá se aos Nada olhares aqui deverá se tente-se deixar circunscrever permanência do quase extensão Este (ou espaço se esboço. extensão Este do Propósito de pântano permite aqui deverá deixar circunscrever Note-se Nada a permanência se notar) a aqui deverá se insta-me Se exibe Nada Note-se pântano à experiência. de olhares casuais (ou tente-se notar) permite à experiência. tente-se inacabado. esboço. casuais como Note-se inacabado. olhares aqui inquestionável, lacunas. (ou tente-se aqui permanência do (ou Se exibe aos pântano das promessas. permite deverá se (ou das promessas.espaço quase total, inquestionável, tente-se aqui ao aqui deverá se notar) a esboço. olhares casuais tente-se tente-se deixar circunscrever (ou tente-se Contudo: deverá se permite tente-se aqui Nada Nada promessa. Contudo: a permanência do a extensão a Note-se (ou permite tente-se aqui Nada como do inacabado. tente-se inacabado. esboço. Propósito de do inacabado. das notar) a extensão inquestionável, inquestionável, lacunas. deverá se ao Nada a permanência espaço se do espaço se do do Note-se (ou espaço se Se a permanência do notar) a extensão Nada a Note-se (ou extensão a extensão pântano Propósito de Contudo: do inacabado. a tente-se deixar circunscrever casuais como a se permite do quase total, inquestionável, Este espaço se a permanência do exibe aos Este insta-me Se exibe Note-se (ou tente-se aos notar) a se Se espaço a extensão Este Este espaço se das promessas. Note-se ao deixar circunscrever pântano inquestionável, lacunas. Propósito de pântano inacabado. a (ou permite à experiência. extensão deixar circunscrever quase total, inquestionável, Este espaço se exibe aos Este inacabado. olhares aqui deverá se permite permanência do lacunas. tente-se deixar circunscrever a extensão notar) casuais como Note-se Contudo: insta-me das Propósito de promessa. pântano esboço. Propósito a extensão promessa. inquestionável, lacunas. tente-se notar) espaço tente-se aqui ao (ou tente-se notar) inacabado. a lacunas. quase total, inquestionável, inquestionável, lacunas. permanência permite à Este espaço se esboço. Propósito de deixar circunscrever ao ao deixar circunscrever permanência do deverá (ou tente-se exibe permanência do das a permanência lacunas. exibe aos Este casuais quase total, das promessas. inacabado. (ou tente-se aqui esboço. Propósito de de promessa. Contudo: espaço se do permite à experiência. espaço se Se permite à experiência. das promessas. lacunas. total, inquestionável, aos permite Nada a esboço. Propósito de inquestionável, inquestionável, lacunas. Contudo: insta-me permite a permanência do tente-se aqui Nada notar) a esboço. olhares extensão deixar deixar circunscrever Note-se permanência como lacunas. Nada esboço. lacunas. Nada permanência do das Este espaço se permite à experiência. Este espaço se como do inacabado. inquestionável, pântano das permanência do olhares total, inquestionável, casuais permite à experiência. como lacunas. Propósito de Contudo: promessa. Contudo: insta-me se permite do do deixar circunscrever insta-me esboço. aos como lacunas. permanência do lacunas. casuais quase total, a permanência do lacunas. Nada Propósito permite à promessas.permite à experiência. como lacunas. ao promessa. Contudo: exibe aos deixar extensão promessa. quase lacunas. do inacabado. esboço. casuais promessa. Contudo: se notar) espaço como do inacabado. pântano das promessas. Propósito de pântano deixar circunscrever quase deixar circunscrever Note-se promessa. Contudo: pântano deverá se olhares deverá se esboço. (ou tente-se notar) promessa. Contudo: insta-me tente-se deixar circunscrever das promessas. do extensão Este total, inquestionável, esboço. do inacabado. esboço. Nada promessa. Contudo: casuais como a Nada a permanência permanência do lacunas. Contudo: insta-me Se permite aqui deverá Note-se (ou tente-se notar) a extensão total, inquestionável, casuais à experiência. Contudo: aqui deverá se inacabado. esboço. Propósito (ou tente-se permite quase total, deixar extensão promessa. quase permanência do olhares deverá se olhares à experiência. Contudo: exibe aos Este se notar) a de deverá se insta-me esboço. aqui experiência. promessa. Contudo: inquestionável, pântano das ao promessa. Contudo: aqui deverá se promessas. Note-se à de pântano espaço total, inquestionável, permite promessas.permite à experiência. quase total, inquestionável, extensão deixar circunscrever Contudo: insta-me esboço. olhares ao promessa. Note-se (ou permite a extensão a exibe aos Este (ou tente-se Contudo: (ou tente-se permite exibe aos notar) a permanência do espaço se promessa. das promessas. lacunas. aqui deverá se pântano das promessas. ao quase total, se Se espaço aqui deverá se inquestionável, pântano das ao deixar circunscrever inacabado. a do a extensão promessa. insta-me (ou tente-se do inacabado. olhares promessas. Note-se do aqui deverá se aos notar) a ao promessa. Contudo: insta-me a extensão como lacunas. (ou tente-se aqui permanência do inacabado. a do permanência do olhares total, Note-se (ou deverá se permite (ou tente-se aqui Se exibe aos a extensão pântano esboço. Propósito de quase total, inquestionável, a permanência Propósito de pântano total, inquestionável, exibe casuais como Note-se Se exibe aos Nada aqui aos notar) a permite à experiência. à experiência. esboço. lacunas. Nada pântano à experiência. Nada a permanência como lacunas. como Note-se aos promessas. Note-se Se quase total, inquestionável, do Note-se (ou Se exibe aos a permanência do como do inacabado. inquestionável, lacunas. das promessas.quase total, inquestionável, permanência do (ou Contudo: insta-me esboço. quase total, deixar extensão Este casuais promessa. pântano das esboço. Propósito de permite aqui deverá circunscrever Propósito de Note-se (ou permite quase total, quase de olhares casuais
marilyn monroe
leu

o cronos
de goya

com as lentes
de sempre

ser
marilyn monroe

até que
a morte a separasse

de si
isto é

marilyn monroe
leu

o cronos de goya
com as lentes

de cronos de
goya

sem tragédias
sem bodes

porque
sempre se

pode
vomitar

e uma
balinha de hortelã
voltar
a
escrever
é como
voltar
a escrever
as mesmas
palavras
os
mesmos
amenos
dilemas
as
penas
a curvatura
do esse
das
emas
o bocejo o
sentido profundo
do poço
o osso o
fóssil-
segundo o
brilho
estribilho da
merdáfora
sacra
os ohmeudeus
do meu
amor
que me olha
com cara
de riso
e ri
com a cara
que tem
a mesma
cara
que me faz
rindo
também
voltar
a
não voltar
a
escrever

voilá
re-calendar 2 _ bruno neiva
"The theme you play at the start of a number is the territory, and what comes after, which may have very little to do with it, is the adventure."
Ornette Coleman






Os poemas reunidos em COMUNS são frutos de uma prospecção dos planos sonoros envolvidos no instante de sua feitura. A primeira série pertence a uma etapa inicial de esclarecimento de propósitos na qual eu começava a prever o que me propunha: o uso de todo e qualquer recurso que transgredisse os limites puristas do ato de inscrição. Assim, o problema da transposição de repertórios, que neste caso indica o trânsito do espaço da lírica ocidental para o da instabilidade total do precário, que se caracteriza pela reinvenção contínua de objetos e de usos, quase se mostra como impossibilidade. Com o intuito de percorrer as sendas abertas por Getrude Stein e Ornette Coleman, a série se pretende como uma pesquisa sobre ritmos e pulsações que privilegiam a impermanência do plano sonoro, de sua sintaxe, em detrimento do plano verbal, sem no entanto recusá-lo. A manipulação desses planos, somados aos ambientais (ruídos, vozes paralelas, etc.), que estabelecem fluxos transversais, intercessões e descontinuidades, projetando-os numa textualidade comum, mediada pela sensibilidade imediata do ouvinte-inscritor, é o polo agenciador da série - seu território.

pelo fato simples, possamos ver.
Cogita fato.) Agora, o dele
saindo, caindo ela vai chegar
naquele gesto. Tem de me
lembrar, sublevados pelo álcool, Não

existem janelas. lembro de o
à parede do carro de
pipocas. em abraços cordiais. cerveja.
Dois rapazes, amigos. Não me
achei que houvesse na escada.

Insídia. levantou quando apareceram ontem:
um abuso. lembrou. Por favor,
depois se dissolveram junto com
o de bigodes fartos. aflita.
O comprimido vértice dela com

(perfídia: a queda não sabe
como Agora, resta o atrás
de um o pôr-do-sol. Rumor
fuga? Penso nela Como antes.
Árvores noite alta. Em pensa

em. Folhas O quê? Quando
à frente do enquanto finge
arrumar estão sublevados por que
isso impeça, cerveja. Dois rapazes,
próximo, lugar nenhum vazio pousara
ô mulher
cala a boca
porra
sua voz

tá mais alta
do que
meu
som aqui

cala a boca
porra
depois dizem
que eu

sou louco
louco é quem fala
mais alto
na hora do som

mais celestial
do mundo
se pagou
não se lembra

da grana
que eu
pago
depois

isso
se
não calar eu
vou embora

se você
não se calar
eu vou
embora

eu
vou
embora
eu quero silêncio

porque eu
amo a
música
muito obrigado

deixe
que eu

escutando

não toque agora
que eu
ainda tô tocando
meu filho

depois dizem
que eu
sou
assim


[ ouveja aqui ]
No meio do caminho tinha o "Alguma poesia"
tinha o "Alguma poesia" no meio do caminho
tinha o "Alguma poesia"
no meio do caminho tinha o "Alguma poesia".

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha o "Alguma poesia"
tinha o "Alguma poesia" no meio do caminho
no meio do caminho tinha o "Alguma poesia"

ó

11 de jun de 2011

ela já não sabe
mais
o que esperar
de "quem
espera
sempre alcança"

ela se refaz
de um susto
o último
um refletor
sobre o motor
da sorte

ela pinta
os cabelos
diz
que tudo é o mesmo
que um veneno
ameno

ela diz que
nunca
ouviu dizer
que dizer
ajudava
a ouvir o tempo

poética

26 de mai de 2011

eu vou publicar
um
poema
nem que eu tenha que

roubar um
poema
pra publicar
um

poema
depois
desse
poema

eu
vou publicar outro
poema
ou

outros
poemas
uma série
de

poemas
depois
eu vou reunir os
poemas

em um livro
de
poemas
de amor
eu me incomodo sim eu
me incomodo muito
sim eu me incomodo
muito pouco sim
eu me incomodo muito pouco
pra não dizer o contrário
sim eu digo o contrário
duas vezes
pra ser mais claro sim
eu sou tão claro
ai meu deus
que ofuscado de mim
entre isso
e aquilo
fico com o e

fico com o fio
q liga
o início ao fim

com o sem-sentido
q assente
sem ter o q

com toda lente
q aumente
o q é sentir

“entre o sim
e o não
existe um vão”

já arrebentou
a vitrine
o assumpção

entre isso
e aquilo
fico com o e

e vou somando
o q é som
ao q não
alegria já
se esconde
bem atrás
do q
não vejo
e o q ouço
é esse
oco
e o q eu
posso é
esse fosso
q separa
o sim
do senso

alegria esse
silêncio
de paredes
sem saída
postes
cegos pelas
ruas
um isqueiro
e gasolina
ninguém
se aguenta
madame
quem é que
inventa

esse scarpin
q ninguém
calça
madame
quem toca
a valsa

em 1 + 2
melhor descalça
madame
do que
na reta

e quem promete
o quanto
mete
madame
ninguém conhece


apêndice

upa lorinha
na calçada
madame
upa pra lá
upa pra cá

upa pra onde
madame
virgem
q coisa
mais q linda

mais lindinha
madame
upa lorinha
começando
a andar

madame
madame
Olavo Bilac

Palestra realizada no Instituto Nacional de Musica do Rio de Janeiro, em 19 de Agosto de 1905

Não supponho que vos haja causado estranheza o enunciado do tema d'esta conferência. Ha muito tempo se diz e se escreve que são tristes todos os nossos poetas, que é triste toda a nossa poesia: a ponto que os críticos, quando estudam a nossa litteratura poética, nunca deixam de armar-se, não só de um conta-syllabas, mas também de um conta-lagrimas E possa eu, nos breves minutos que vae durar esta palestra, contribuir para libertar a poesia brasileira d'essa triste fama de se ter organisado em syndicato monopolisador de melancolias, formando o trust de todas as lagrimas do universo, e imitando nisso o desembaraço com que a Rio Ligth acaba de açambarcar todas as companhias de bonds do Rio de Janeiro Antes de tudo, que é a tristeza ? Quando passageira, é um estado normal. Quando contínua e invencível, é uma enfermidade. Um homem equilibrado e forte, dotado de saúde physica e moral, em plena pujança de vida, não pôde ser constantemente e inalteravelmente triste, como não pôde ser constantemente e inalteravelmente alegre. Dae-me um macambuzio, um homem fundamentalmente e pavorosamente triste: um pouco de massagem muscular, um pouco de exercício, algumas distrações, alguns banhos electricos, um pouco de peptonato de ferro, ou ainda algumas transfusões sub-cutaneas de um soro artificial podem facilmente dar cabo da tristeza d'esse homem... Se admittirmos sem hesitações a “theoria do meio”, reconheceremos que não ha no Brasil um só motivo para que cada brasileiro seja um cypreste humano, sempre debruçado sobre a cova em que jaz sepultada a sua alegria. Para estudar e comprehender a tristeza de um poeta, de um grupo de poetas, de uma litteratura, é preciso, antes do mais, comprehender que um poeta alegre pôde ser um homem pouco dado á alegria, e que um homem jovial pôde ser um poeta triste. Entre o homem e o escriptor, — ou, melhor: entre o homem- machina, que come, digere e dorme, e o homem-pensamento, que imagina, concebe e executa,— ha muitas vezes, ha quasi sempre um largo abysmo. A emoção, todos os homens a podem ter, — todos, com excepção dos cretinos: não há homem normal, que não seja capaz de sentir e comprehender a belleza de uma paizagem, a belleza de uma mulher, a belleza de um acto moral. Isso quer dizer que a boa, a legitima creação poética nunca é instantânea: é sempre separada, por uma phase mais ou menos dilatada, do abalo moral que a produziu. Um poeta estudante, bohemio, em fim de mez, no pobre quarto da republica em que mora... Para illudir o estômago, que pede um almoço... impossível, esse poeta está escrevendo versos. Versos de amor, versos lyricos, versos tristes, cheios de ais, cheios de suspiros, e cheios de tantas lagrimas, que, se ellas fossem reaes, o papel, o tinteiro, a mesa, o poeta ficariam nadando num vasto mar de pranto. De repente, batem á porta: é um carteiro. Uma carta registrada... É a mezada! é dinheiro! O estudante dá um salto, beija o vale postal, beija o carteiro, e põe-se a rodopiar pelo quarto, numa valsa infernal. Vae sahir, vae almoçar, vae forrar da miséria o estômago... Mas lembra-se do soneto inacabado: e, apezar de estar alegre como um dia de sol, acaba o soneto no mesmo tom, com os mesmos ais, os mesmos suspiros, as mesmas lagrimas. O homem está contente, porque tem dinheiro, e vae almoçar: mas o poeta continua a ser triste, porque é poeta. A Tristeza, filha da agonia sem nome das almas que vivem a esbarrar contra a muralha do Mysterio que as rodeia, é uma concentração, é uma rebellião, é um protesto das almas fortes contra a hostilidade e a ferocidade do incognoscivel ; — e isso não pôde ser confundido com o choramigar infantil e impertinente dos vates de aldeia, que se queixam da ingratidão das suas namoradas, como se queixariam de uma dor de ouvido ou de uma dor de dente. Assim, quando o poeta alarga o âmbito da sua inspiração, e começa a preoccupar-se, já não com o seu amor unicamente, mas com o vasto soffrimento humano que o cerca, — a sua poesia é triste, porque é pessimista. Houve, no século XVIII, no Brasil, minhas senhoras e meus senhores, um poeta, que só escreveu versos alegres. Versos alegres? — versos rancorosos! versos satânicos! versos que tinham em cada syllaba uma gotta de veneno e em cada rima uma frécha de ponta acerada! Esse poeta foi Gregorio de Mattos, um demônio humano, que viveu em guerra aberta contra o céo e contra a terra, ferindo todos os ridículos, criticando todos os costumes, invectivando todos os seus contemporâneos... Achaes que são alegres os versos de Gregorio de Mattos? Pensae bem, e reconhecereis que elles são mais tristes do que todos os versos gemedores de Casimiro de Abreu... São mais tristes, porque são uma explosão de revolta e de ódio, porque são as lavas de uma erupção de descontentamento e de cólera! Os poetas são estuários, em que se vêem confundir as torrentes de idéias e de sentimentos que agitam as Idades; são espelhos, em que se vêem reflectir e concentrar os feixes de raios ardentes em que se abraza e consome o Ideal Humano. E, como o mundo será sempre triste, porque a vida será sempre um mysterio, — também os poetas serão sempre tristes, porque serão sempre os interpretes d'esta grande e dolorosa duvida humana, d'esta curiosidade insaciável, d'esta desesperadora ignorância do que somos e do que seremos... ■


Acesse o texto integral aqui
here [ 8'12" ]

where [ 7'58" ]

nowhere [ 9'42" ]